Google+ Followers

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

ABORDAGENS SEXUAIS FORA DO CORPO



- Por Luiz Otávio Zahar -


Uma experiência bastante freqüente entre projetores astrais é o encontro com entidades atraentes com nítidas intenções sexuais.

Nada impede que duas pessoas se encontrem fora do corpo e que haja uma troca energética benéfica e aprazível para ambos, mas neste texto estou tratando de um evento diferente e que consiste numa troca desigual.

O mundo astral é de uma plasmabilidade estonteante. Um espírito que domine as técnicas de plasmagem pode se apresentar como um lindo homem ou uma bela mulher para atrair um projetor (a) incauto (a) para um contato "sexual".

Analisando friamente, o sexo é uma capacidade inerente ao corpo físico. A atividade sexual fora do corpo só pode visar a uma troca energética entre as entidades.

Nos planos sutis existe uma carência objetiva de energia anímica (energia etérica). Para determinadas atividades astrais, a energia anímica é muito necessária, para coisas positivas como o atendimento a doentes e ajuda no processo desencarnatório, por exemplo. Porém, como tudo na vida, tem um lado bom e um ruim, e no campo das viagens astrais as coisas não são diferentes. A energia anímica absorvida pelas entidades desencarnadas pode ser utilizada para a execução de atos bons ou ruins, entre os ruins poderia citar a prática de atos mágicos negativos.

Magos negros se valem de entidades astrais de baixa vibração para funcionarem como antenas na captação de energias anímicas disponíveis. Uma das formas mais comuns de obtenção de energia anímica no plano astral é pelo assédio sexual.

Entidades desencarnadas em busca de energia anímica plasmam corpos e situações libidinosas que funcionam como isca, induzindo o projetor ao desejo sexual. O contato do projetor com uma destas entidades funciona como uma drenagem de energia em mão única. O projetor é sempre o doado, e a entidade desencarnada, sempre a receptora. Trata-se de um verdadeiro quadro de vampirismo.

Não deve o projetor imaginar que esta "drenagem" de energias possa causar-lhe algum dano. Isto não acontece. Temos os nossos corpos físicos que, através da respiração e da alimentação, repõem todas as energias perdidas. O maior problema acontece nos aspectos psicológicos. Alguns projetores desenvolvem relações simbióticas com estas entidades podendo caracterizar verdadeiras obsessões.

É muito complicado dizer o que fazer para evitar uma abordagem sexual extracorpórea. Em princípio, a chave estaria em ter uma sexualidade bem resolvida no plano físico. Assim seria evitado que uma pulsão sexual fosse mantida e levada para o plano astral. Essa é para mim a forma mais segura de evitar o assédio sexual extrafísico.

Certamente não é tudo, mas é um bom caminho.

Mas suponhamos que por razões diversas uma pessoa não tenha tido a possibilidade de realizar-se sexualmente e, durante o sono, projetar-se fora do corpo carregada de desejos sexuais. Ela certamente estará sinalizando no plano astral que está disponível para "encontros" com motivação sexual. Para este projetor, o melhor a fazer é manter-se plenamente consciente, não permitindo encontros de baixo nível. Quando se está bastante consciente isso fica muito claro para quem se projeta.

Finalmente, para a maior parte da população "projetante" vale um conselho:

- Sexo fora do corpo? Na dúvida, evite. Existem muitas formas mais seguras e até mesmo mais prazerosas de trocar energias fora do corpo.

Nota de Wagner Borges:

Luiz Otávio Zahar é um grande amigo do Rio de Janeiro e um dos maiores pesquisadores das experiências fora do corpo do país. É médico há 23 anos, com especialização em Medicina do trabalho, Homeopatia, Acupuntura e Urologia. Mestrando em saúde ocupacional. Formação em Hipnologia médica e PNL. Nos anos 70 e 80 praticou hatha e raja yoga, além de fazer o curso de Meditação Transcendental®. Criou, em 1999, a lista de discussão pela internet VIAGEM ASTRAL (http://br.groups.yahoo.com/group/viagemastral/), que conta atualmente com cerca 800 membros.

Teve sua primeira projeção espontânea aos 15 anos, e desde então vem estudando e pesquisando as experiências fora do corpo. É colunista da revista on line do site do IPPB. Mantêm um excelente blog sobre as experiências fora do corpo na internet: http://obe1.blogspot.com/ - e mais um site: http://hps.infolink.com.br/lzahar/obe/

Nenhum comentário:

Postar um comentário