Google+ Followers

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

"Filhos" de Deus (do livro O Maior Segredo, de David Icke)


De quem eu estou falando?

 




            Ele nasceu de uma virgem, pela imaculada conceição, através da intervenção do espírito santo. Isto foi o cumprimento de uma antiga profecia. Quando ele nasceu o tirano regente queria matá-lo. Seus pais tiveram que fugir para um lugar seguro. Todas os meninos, com menos de dois anos de idade, eram assassinados pelo governante, enquanto ele procurava matar a criança. Anjos e pastores estavam no seu nascimento e a ele foi dado presentes de ouro, olíbano e mirra. Ele foi venerado como o salvador dos homens e levou uma vida honesta e humilde. Ele executou milagres que incluíram curar doentes, dar visão aos cegos, expulsão de demônios e ressurreição de mortos. Ele foi colocado para morrer na cruz entre dois ladrões. Ele desceu ao inferno e ressuscitou dos mortos para ascender de volta para o céu.

            Soa exatamente como Jesus, não é? Mas, não é. Isto é como eles descreviam o deus salvador oriental conhecido como Virishna 1.200 anos antes do alegado nascimento de Jesus. Se você quer um deus salvador, que morreu para que nossos pecados pudessem ser perdoados, faça sua escolha no mundo antigo, porque existe uma torrente deles, todos se originando com a raça ariana,  que proveio do Oriente Próximo e das Montanhas Cáucaso. Aqui estão somente alguns dos heróis ‘Filhos de Deus’, que representam o papel principal nas estórias que espelham aquelas atribuídas à Jesus e quase todos eram venerados bem antes que Jesus existisse:

            Krishna do Hindustão; Buda Sakia da Índia; Salivahana de Bermuda; Osiris e Hórus do Egito; Odin da Escandinávia; Crite da Caldéia; Zoroastro(ou Zaratustra) da Pérsia; Baal e Taut da Fenícia; Indra do Tibete; Bali do Afeganistão; Jao do Nepal; Wittoba de Bilingonese; Tammuz da Síria e Babilônia; Attis da Frígia; Xamolxis da Trácia; Zoar do Bonzes; Adad da Assíria; Deva Tat e Sammonocadam do Sião; Alcides de Tebas; Mikado de Sintoos; Beddru do Japão; Hesus ou Eros, e Bremrillahm, dos druidas; Thor, filho de Odin, dos gauleses; Cadmus da Grécia; Hil e Feta de Mandaites; Gentaut e Quetzalcoatl do México; Monarca Universal de Sibyls; Ischy de Formosa; Professor Divino de Platão; Holy One (Santo) de Xaca; Fohi e Tien da China; Adônis, filho da virgem Io, da Grécia; Ixion e Quirinus de Roma; Prometeu do Cáucaso; e Mohamede ou Maomé,  da Árabia.

            Todos, exceto alguns ‘filhos de Deus’, ou ‘profetas’, e religiões prisões-da-mente baseadas em seus nomes, provieram das mesmas terras ocupadas ou influenciadas por povos que surgiram do Oriente Próximo e do Cáucaso. As terras dos arianos. Outros ‘filhos de Deus’ incluíam Mitra ou Mitras, o deus pré-cristão romano-persa, e na Grécia e Ásia Menor eles tinham Dioniso e Baco. Existiam filhos de Deus que morriam para que nossos pecados pudessem ser perdoados, nascidos de uma mulher virgem, e seus aniversários eram em... 25 de dezembro! Mitra foi crucificado, mas ressuscitou dos mortos em 25 de março–Páscoa! Iniciações Mitran (mitranas) ocorriam em cavernas adornadas com os signos de capricórnio e câncer, simbólico do solstício de inverno e verão, os pontos alto e baixo do Sol. Mitra era frequentemente retratado como um leão alado, um símbolo para o Sol ainda usado pelas sociedades secretas de hoje. Referências ao leão e a ‘pegada da pata do leão’, no Grau de Mestre Maçon da Maçonaria, origina-se com esta mesma corrente de simbolismo de escolas de mistérios. Iniciados nos ritos de Mitra eram chamados leões e eram marcados nas suas testas com a cruz egípcia. Os iniciados de primeiro grau tinham uma coroa dourada colocada em suas cabeças, representando seu self (ser) espiritual, e esta coroa, simbolizando os raios do sol, pode ser encontrada na Estátua da Liberdade, na enseada de Nova Iorque. Todos esses rituais retroagem, milhares de anos atrás, para Babilônia e as estórias de Nimrod, Rainha Semiramis, e Tammuz, a versão deles de Jesus. Mitra dizia-se ser o filho (Sol-son) de deus que morreu para salvar a humanidade e dar a ela vida eterna. Um símbolo clássico de Mitra era como um leão com uma cobra enrolada em seu corpo, enquanto ele segurava as chaves para o céu. Isto é mais simbolismo de Nimrod e a origem da estória de São Pedro, um dos 12 discípulos de Jesus, segurando as chaves para o céu. Pedro era o nome do Alto Sacerdote na escola de mistérios da Babilônia. Depois que um iniciado do culto de Mitra completasse o ritual, os membros tinham uma refeição de pão e vinho na qual eles acreditavam que eles estavam comendo a carne de Mitra e bebendo seu sangue. Mitra, como uma longa lista de deuses pré-cristãos, dizia-se visitado por homens sábios que levaram para ele presentes de ouro, olíbano e mirra. O mesmo dizia Platão de seu professor, Sócrates, na antiga Grécia. Cristianismo é uma religião solar pagã, o culto que é condenado pelo Cristianismo! É também uma religião astrológica, o ‘mal’ que é condenado pelo cristianismo, não menos pelo Papa! Mande-me uma luz Scotty, aqui em embaixo é uma loucura. A hierarquia da igreja, é claro, sabe tudo isto. Eles só não querem que você saiba. O culto de mistérios de Mitra espalhou-se da Pérsia para o Império Romano e em uma época esta doutrina podia ser encontrada em quase todas as partes da Europa. O presente sítio do Vaticano em Roma era um lugar sagrado para os seguidores de Mitra; sua imagem e símbolos são encontrados talhados na rocha e tabuinhas de pedra por toda parte, nas províncias ocidentais do antigo domínio romano, incluindo a Alemanha, França e Britânia. O Cristianismo e a Igreja Romana foram baseados no deus romano-persa chamado Mitra (Nimrod), que tem um equivalente mais antigo na Índia chamado Mitra. Tammuz ou Adônis (Senhor), que era reverenciado na Babilônia e Síria, dizia-se nascido à meia noite de 24 de dezembro. Estes eram também ‘filhos’ de Deus.

            Hórus era o ‘filho’ de Deus no Egito. Ele era derivado do Tammuz Babilônico e, por seu turno, forneceu um outro esquema para o posteriormente Jesus. As conexões são devastadoras para a credibilidade da Igreja Cristã: Jesus era a Luz do Mundo. Hórus era a Luz do Mundo. Jesus disse que ele era o caminho, a verdade e a vida.  Hórus disse que ele era a verdade, a vida. Jesus nasceu em Belém, a ‘casa do pão’. Hórus nasceu em o ‘lugar do pão’. Jesus era o bom pastor. Hórus era o bom pastor. Sete pescadores embarcaram em um barco com Jesus. Sete pessoas embarcaram em um barco com Hórus. Jesus era o cordeiro. Hórus era o cordeiro. Jesus é identificado com uma cruz. Hórus é identificado com uma cruz. Jesus foi batizado aos 30 anos. Hórus foi batizado aos 30 anos. Jesus era o filho de uma virgem, Maria. Hórus era o filho de uma virgem, Ísis. O nascimento de Jesus foi marcado por uma estrela. O nascimento de Hórus foi marcado por uma estrela. Jesus foi a criança-professor no templo. Hórus foi a criança-professor no templo. Jesus tinha 12 discípulos. Hórus tinha 12 seguidores. Jesus era a estrela da manhã. Hórus era a estrela da manhã. Jesus era o Cristo. Hórus era o Krst. Jesus foi tentado na montanha por Satã. Hórus foi tentado na montanha por Set.
            Diz-se que Jesus era ‘juiz dos mortos’. Ele tem alguma competição aí. Diz-se dos anteriores a ele: Nimrod, Krishna, Buda, Ormuzd, Osiris, Aeacus e outros. Jesus é o Alfa e Ômega, o primeiro e o último. Assim era Krishna, Buda, Laokiun, Baco, Zeus e outros. Alega-se que Jesus fez milagres, tais como, curar os doentes e ressuscitar pessoas dos mortos. Assim fez Krishna, Buda, Zoroastro, Bochia, Hórus, Osiris, Serapis, Marduk, Baco, Hermes e outros. Jesus nasceu de sangue real. Assim nasceram Buda, Rama, Fo-hi, Hórus, Hércules, Baco, Perseus e outros. Jesus nasceu de uma virgem. Assim nasceram Krishna, Buda, Lao-kiun ou tse, Confúcio, Hórus, Ra, Zoroastro, Prometeu, Perseus, Apolo, Mercúrio, Baldur, Quetzalcoatl e muitíssimos outros para mencionar. Contaram-nos que Jesus nascerá de novo. O céu vai ficar bem congestionado (craudiado) porque Krishna, Vishnu, Buda, Quetzalcoatl e outros, também estarão aí. A ‘estrela’ no nascimento de Jesus é uma outra estória de multi-divindades e retroage pelo menos para a fábula babilônica de Nimrod que, em um sonho, viu uma estrela brilhante nascendo acima do horizonte. Os adivinhos, contaram para ele que isto predizia o nascimento de uma criança que se tornaria um grande príncipe. É tudo reciclagem. Jesus é um homem mítico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário